Um novo casamento

0
187

Hoje temos mais uma colaboradora do Múltiplas, Bia. Que sugeriu o tema sobre:

“O papel do casal nos dias de hoje. Ficou tão estabelecido as funções (homem protege, mulher acolhe) que às vezes as pessoas ficam perdidas.”

E lança duas perguntas:

“A mulher está se tornando cada vez mais independente, mas e no relacionamento, isso também deveria mudar?”
“O homem não teria que dever dar apoio e segurança para a mulher, na relação do casal?”

Bem, sobre a primeira pergunta sobre as mulheres independentes, já falei no texto “Programação da mente feminina”. E sobre se deveria mudar eu falei no texto “Há saúde na dependência?” Segundo esses dois textos, a mulher ainda está no processo de ser independente nos relacionamentos, a programação da fragilidade emocional e de necessidade de ter um homem para se sentir amparada diante a vida ainda está tocando como “hit parade” em nossas mentes. Vejo mulheres completamente autônomas financeiramente e profissionalmente, mas algemadas à casamentos insatisfatórios por medo de ficar sozinhas… Leia-se, sem homem.

Os dois textos respondem se “isso também deveria mudar”, no meu entender é claro que precisa, não dá para ser independente numa área só, é preciso estender isso para vida toda. Onde há dependência há mal estar. Agora, precisamos compreender bem o que é independência e autonomia. Acho que esses conceitos não estão sendo bem entendidos.

Pensamos que uma pessoa independente deve ser abandonada à própria sorte, agimos quase como retaliação. Ah! Não é tão independente? Agora se vire sozinha para tudo! Um ser independente não é um ser isolado, nós humanos trabalhamos em equipe desde que deixamos de ser macacos, foi isso que nos garantiu sobrevivência. Sozinhos morremos.

Um casamento é um trabalho em equipe e numa equipe há e deve haver colaboração, cada um faz uma parte para o todo funcionar melhor. O que começamos a fazer foi “cada um por si e deus por todos”, confundimos independência com abandono, descuido, retaliação. Ficamos nos 8 ou 80, só vivemos juntos se formos dependentes. Ainda não sabemos como duas pessoas independentes afetivamente podem ser companheiros. E é isso que deve mudar.

A pergunta deveria ser: O que é ser independente? E depois… Como sendo independente posso amar e conviver com um cônjuge?

Bom, o texto ficou grande e vou dar continuidade ao tema no próximo, ok?

Namasté!


Texto de@ NandaBotelho

do blog – http://multiplasrealidades.blogspot.com/

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here