Servir ao próximo

0
201

Havia, em uma grande cidade, um homem chamado José.
José era um homem bom e muito rico;
morava em uma casa muito grande, cheia de empregados e levava uma vida confortável, pois sua casa já estava pronta e tinha tudo o que ele necessitava.
Algumas vezes por semana, batia à sua porta um homem chamado Joaquim, oferecendo-se para realizar qualquer tipo de trabalho, visando obter algum dinheiro para o seu sustento e o de sua família.
Certo dia, quando pela manhã, Joaquim bateu novamente à porta da casa de José. Este recomendou a um de seus empregados, Léo, que dissesse a Joaquim que voltasse na manhã seguinte às dez horas.
Mais tarde, José saiu de casa, indo direto a um depósito de materiais de construção, onde comprou dois mil tijolos, solicitando que estes fossem entregues antes das dez horas da manhã do dia seguinte.
Quando os tijolos chegaram, José recomendou aos seus empregados que os colocassem em uma área descoberta no grande quintal da sua casa.

No outro dia, pontualmente às dez horas, Joaquim chegou e foi levado onde estavam os tijolos, recebendo a tarefa de levá-los até um outro lugar no quintal da casa. Quando chegou a hora do almoço, Joaquim foi chamado a comer dentro da casa de José. No final do dia, tendo terminado de levar todos os dois mil tijolos para o local indicado, Joaquim avisou José da execução do trabalho. José, então, perguntou a Joaquim quanto ele queria receber pelo trabalho realizado, recebendo de Joaquim a resposta de cinco pratas.
José resolveu pagar a ele dez pratas, recomendando que ele voltasse no dia seguinte para trabalhar novamente.
Na manhã do segundo dia, Joaquim voltou, recebendo a tarefa de levar os dois mil tijolos para o local onde estavam no dia anterior.

Almoçou novamente na casa, e, no final do dia, após terminar a tarefa, recebeu dez pratas e o aviso para que voltasse no dia seguinte.

Na manhã do terceiro dia, recebeu a tarefa de retornar os dois mil tijolos para o mesmo local onde estavam na manhã do dia anterior.
Realizou o trabalho, almoçou na casa de José e, no final do dia, recebeu dez pratas, sendo solicitado a voltar no dia seguinte.
Léo, empregado de José, percebendo que alguns tijolos haviam se quebrado, avisou ao patrão, que solicitou a compra de mais alguns para completar a quantidade de dois mil tijolos novamente.
O retorno de Joaquim ao trabalho foi feito por muitos dias seguidos, sempre recebendo a mesma tarefa, o almoço e as dez pratas pelo trabalho executado.
Certo dia, Joaquim chamou José e lhe perguntou por que ele tinha reservado este trabalho de sempre lhe levar os tijolos de um lugar para o outro.
José respondeu com outra pergunta:
— Este trabalho não está bom para você?
Joaquim disse:
— Para mim, está!
José, então, finalizou:
— Se para você está bom, para mim também está.

Conclusão

Este Conto exemplifica que existem muitas maneiras de Servir ao nosso próximo, fazendo com que ele se sinta útil por fazer alguma coisa para obter o seu sustento.Quando começamos a praticar o Exercício Caritativo, percebemos que existem muitas maneiras de Servir, mas o importante é começar , para adquirirmos o hábito de fazê-lo constantemente.
Deus seja louvado!

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here