Plexos

0
217

Entrelaçamento de muitas ramificações de nervos ou de filetes musculares, vasculares etc. ( Aurélio).

Os plexos estão situados no Corpo Físico; são conjuntos de aglomerados de nervos e gânglios do Sistema Vago-Simpático que regulam a vida vegetativa do Corpo Humano.

Como não desconhecem o nosso Corpo de matéria rarefeita está intimamente regido por sete centros de Força, que se conjugam nas ramificações dos plexos e que vibrando em sintonia uns com os outros, ao influxo do poder diretriz da mente, estabelecem para nosso uso um veículo de células elétricas, que podemos definir como sendo um campo eletromagnético, no qual o pensamento vibra em circuito fechado. (Entre a Terra e o Céu – André Luiz).

“O sistema nervoso (ver página seguinte) é complexo e permeia todo o corpo físico denso em verdadeiro cipoal de linhas, pois as células se tocam, umas nas outras, pelos dendilhos, e os nervos formam “cordões”. No entanto, em certos pontos do corpo as células nervosas formam uma espécie de rede compacta, entrecruzando-se abundantemente, em conglomerados complexos emaranhados , que parecem nós de uma linha embaraçada.

A medicina chama a esses pontos “PLEXOS” nervosos.

Existem muitos no corpo, mas alguns são considerados de maior importância, pela localização e pelo trabalho que realizam.


NOME                                    LOCALIZAÇÃO

PLEXO CORONÁRIO –          Localizado no alto da cabeça;
PLEXO FRONTAL –                Localizado na testa;
PLEXO LARÍNGEO –              Localizado na garganta;
PLEXO CARDÍACO –             Localizado no coração;
PLEXO MESENTÉRICO –     Localizado no Baço;
PLEXO SOLAR –                     Localizado na região da Boca do Estômago;
PLEXO SACRAL –                  Localizado no Períneo;


O plexo solar, situado na altura da boca do estômago, é responsável por todo o metabolismo alimentar.

Os plexos nervosos, no físico, apresentam no corpo menos denso, contrapartes astrais, que não se materializam, que possuem funções e realizam trabalhos bem específicos.

Poderíamos dizer que é a parte do corpo astral que não se solidificou, como se o sistema nervoso constasse de duas partes: uma física e outra astral, uma mais, outra menos densa, uma visível e tangível pelo físico, outra só visível e tangível pelo astral.


SISTEMA NERVOSO

Sabemos que os corpos orgânicos são compostos de células que nascem, crescem, alimentam-se, reproduzem-se e desencarnam (isto é, sua contraparte astral perde a contraparte material) e novamente reencarnam (ou seja, conquistam, por atração sintônica, outra matéria similar à anterior) Por isso dizem os biólogos que o corpo inteiro se renova totalmente de sete em sete anos, embora alguns tecidos se refaçam com muito maior rapidez.

No entanto, as células nervosas, denominadas neurônios, não sofrem essas mutações: as células com que nascemos, permanecem as mesmas.

Os neurônios são células altamente especializadas. Unidos, formam as fibras nervosas e estas, os nervos.

A sinapse funciona como um interruptor, que liga e desliga uma célula nervosa de outra (nervosa ou não). O excesso de trabalho desgasta a sinapse: é o chamado cansaço físico, que faz que os impulsos não sejam bem retransmitidos; mas também recuperam com o repouso (defasagem).

Se o cansaço é demasiado, vem a estafa, que pode chegar a um ponto irrecuperável, não tratada a tempo.


DIVISÃO DO SISTEMA NERVOSO

Constituído por todos os neurônios, com suas funções altamente especializadas, o sistema nervoso divide-se, anatômica e fisiologicamente em:

– SISTEMA NERVOSO CENTRAL, Que compreende o encéfalo e a medula espinhal, governando as atividades mentais conscientes, os nervos motores e os músculos do esqueleto.

– SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO OU AUTÔNOMO, que governa os atos involuntários; distribui-se pelas vísceras abdominais, pélvis, coração, e vasos sangüíneos periféricos. Dilata as pupilas, as arteríolas, os brônquios, ativa o estômago, os intestinos e o coração. Produz as sensações físicas provenientes das emoções.

FUNCIONAMENTO DOS NERVOS

Um contato numa ponta do nervo (terminação nervosa) é transmitido, através dos axôníos, dendritos e neurônios até a “central” (cérebro), que registra esse contato, levando a sensação ao corpo astral, que a sente e a retransmite ao espírito, para decidir o que deve fazer em cada caso.

Porque, lembremo-nos, OS NERVOS NADA SENTEM, como também o físico NADA SENTE: toda e qualquer sensação é registrada no corpo astral ou perispírito, que a leva ao espírito. Há duas funções básicas no sistema nervoso:

1 – Um ato de vontade do espírito provoca uma vibração elétrica no corpo astral e este, através do cérebro transmite a ordem aos nervos que, obedecendo, fazem os músculos se moverem. Chama-se a isso função motora. Quando então, os nervos transmitem as ordens do cérebro, são denominados fibras AFERENTES (levam a).

2 – Um contato de qualquer espécie que atinja uma terminação nervosa, fá-la registrar o fato e, por meio de «Impulsos” através dos fios (nervos), o comunica ao cérebro (Central nervosa) que o transmite ao corpo astral. Só então «sentimos” ou “vemos” ou “ouvimos” ou «saboreamos”, ou “definimos” odores, etc. Quando nessa função, chamamos aos nervos fibras EFERENTES (TRAZEM DE).

Além dessas duas funções básicas, o sistema nervoso atua grandemente, em decorrência de ordens ou necessidades provenientes do corpo astral ou do espírito diretamente, nas glândulas endócrinas (ou de secreção interna).


VIAS NERVOSAS

Todo sistema nervoso é constituído de neurônios, que se interligam pelos dendritos, através dos axônios e sinapses. No entanto, observamos que a sinapse não toca no elemento em que atua: há entre a sinapse e esse elemento um espaço microscópico de centésimos de milímetro. A comunicação é feita por meio de pequenos jatos de uma substância segregada pela sinapse, a acetilcolina, que funciona como um “relais”

Esses pequeníssimos espaços sempre retardam os impulsos; são como os “sinais luminosos” (semáforos) do tráfego.

Observamos, todavia, que jamais o impulso erra o caminho que deve seguir: vai sempre pela via principal, onde não há cruzamentos mas “trevos”, raramente por uma via secundária onde, aí sim, há cruzamentos. Mas, de qualquer forma, existe rigoroso controle, com o sistema da “Mão única”. Fibras aferentes (motoras) que saem do cérebro, jamais encontram as eferentes (sensitivas) que para lá vão.

Qualquer anomalia no tráfego, produz “engarrafamento”: é o caso do aparecimento de algum tumor ou lesão. Quando isso ocorre, a sinapse providencia um desvio temporário dos impulsos.

Certas substâncias conseguem anestesiar, paralisar (barbitúricos) ou excitar (estimulantes) as sinapses, o que descontrola e desorganiza o andamento normal, tanto nas sensações, quanto nos comandos motores.


DUPLO ETÉRICO

É uma parte invisível do corpo físico que é de suma importância para nós, porque é o veículo pelo qual fluem as correntes vitais que mantêm vivo o corpo, e serve de ponte para transferir as ondulações do pensamento e a emoção do corpo astral ao corpo físico denso. Sem tal ponte intermediária não poderia o ego utilizar as células de seu cérebro. O clarividente o vê como uma distinta massa de neblina debilmente luminosa, que interpenetra a parte densa do corpo físico e se estende um pouco mais além deste. Este corpo se desintegra de 30 a 40 dias após a morte do corpo físico.

COMPARTILHAR
Artigo anteriorPasse – como surgiu
Próximo artigoChakras

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here